domingo, 17 de abril de 2011

Dicas {Parte 2} para uma gestação saudável: ESTRIAS

As temidas estrias são recorrentes durante a gestação. Elas afetam aproximadamente 90% das gestantes, deixando cicatrizes nas mamas, abdômen, coxa, nádegas e quadris. As lesões são provenientes da degeneração das fibras elásticas da pele que ocorrem em virtude da distensão exagerada ou de alterações hormonais {ambos fatores presentes na gravidez}. O tecido que reveste o corpo é composto de camadas conhecidas como epiderme e derme. É na derme, a mais profunda delas, que se localizam as fibras de elastina e colágeno, responsáveis por toda a firmeza. 

As lesões lineares, geralmente paralelas, podem variar de 01 a vários centímetros de extensão. Inicialmente as estrias são avermelhadas ou róseas evoluindo mais tarde para uma tonalidade esbranquiçada. As estrias mais recentes são avermelhadas porque ainda estão inflamadas. Nesse caso, ainda é possível mininizá-las com tratamentos e procedimentos dermatológicos. As esbranquiçadas denotam um processo mais antigo e são mais difíceis de tratar, mas também podem ser amenizadas.

O melhor mesmo é prevenir. Para tanto, deve-se evitar o tanto quanto possível o "efeito sanfona" de engorda e emagrece {como se fosse fácil}. Beber bastante água para manter o corpo bem hidratado, deixar o estresse de lado e não economizar em alimentos ricos em vitaminas e minerais {veja aqui as dicas parte 1 sobre alimentação saudável}. As vitaminas e os minerais contribuem para a produção de colágeno e proteínas. É importante também realizar massagens diárias na região da barriga, quadris, bumbum e seios com cremes e loções hidratantes apropriados para tal, fazer uso constante do filtro solar e aliar a isso tudo a prática regular de exercícios físicos  para tentar amenizar os males {principalmente psicológicos} da formação das estrias.

Constatação de uma péssima notícia: As estrias são lesões irreversíveis e portanto não existe, com comprovação científica, um tratamento milagroso que faça a pele voltar ao que era antes. O tratamento visa melhorar o aspecto estético estimulando a formação de tecido colágeno na região das lesões. Para isso várias técnicas podem ser empregadas como: peeling {aplicação tópica de determinadas substâncias químicas}; subcisão {introdução de agulha grossa e com ponta cortante  na região abaixo da estria, fazendo movimentos de vai-e-vem, isto causa lesões no tecido levando à produção de novas proteínas que vão preencher os locais em que elas faltavam}; dermoabrasão {utiliza-se aparelho capaz de esfoliar a pele com ponta de cristal ou diamante, ocorrendo assim a descamação da pele que recobre a estria, estimulando a sua regeneração};  intradermoterapia {injeção de substâncias como ácido glicólico e vitamina C, que estimulam a formação de uma nova pele}; e o laser {a aplicação do laser leva a redução dos vasos sanguíneos nas estrias, reduzindo a coloração avermelhada, levando também a produção de novas proteínas}.

Fato é que as temidas estrias, afetam além do corpo, o psicológico da mulher, muitas vezes já conturbados pela "guerra hormonal" tão comum neste momento gravídico. E o que deve ser celebrado em toda esta história é o fato de que nós homens, via de regra, não nos importamos {alguns nem mesmo conseguem identificar} com esses risquinhos no corpo feminino. É óbvio que a mulher deve sempre tomar os cuidados necessários, manter uma alimentação saudável, praticar exercícios físicos, hidratar corpo e alma, enfim, cuidar de si, para que este desarranjo não influencie na sua auto-estima que deve estar, na medida do possível, equilibrada nesta fase gestacional. 

Mais uma vez a palavra de ordem é prevenir!

Fonte: Luciara Responde / www.dermatologia.net
Fonte Imagem: www.fisiovita.wordpress.com

5 comentários:

Mamãe pela 2ª vez disse...

Olha na primeira gravidez não ficou nem um risquinho já na segunda fiquei com algumas estrias, realmente me encomoda muito mas marido dis que só eu vejo, A TA.
Passei tanto creme e não adiantou, e olha que engordei bem menos que na primeira, vai saber o porque.
Bjus

Mari Hart disse...

Não existe coisa mais maternal no mundo do que estrias! Na praia é fácil identificar uma mãe! rs... agora sinto dizer, mas qdo a genética fala mais alto, não há creme que faça milagre! Claro que como diz no post eles minimizam os efeitos, mas se tiver tendência elas aparecerão certamente!

Bjs!

Anjinho disse...

As estrias é o mal temido de toda mulher.
aff!
pra quem tem grana pra gastar, menos mal, mas pra quem ñ tem.........
aff!
uma luta........
fzer o q neh?
grnde abraço.

Confissões de uma mãe de primeira viagem disse...

estrias...ui, só de ouvir fico arrepiada...rsrs
o barrigón mega grande do Bryan me deixou umas pequititinhas que marido não enxerga por nada...rsrs, mas eu sei que tá lá...kkkkkkkkkkk
o importante é prevenir mesmo,usei óleo de amendoa com colágeno no começo e não deu nenhuma, no final quando parei que veio umazinha...
bjos

Lu disse...

Eu lutei, lutei, lutei, achei que venceria, mas nos último minuto do segundo tempo (leia-se última semana de gravidez) apareceram algumas. Ainda hidrato muito a pele para tentar clarear, maaasssss... Como já disseram, a genética é uma coisa!!!! Mas se eu não tivesse cuidado, certamente seria pior! Adorei os (possíveis) nomes! Eu e meu marido já estavamos nesta fase da escolha antes mesmo de engravidar (olha só o nível da ansiedade!)
Beijos para vcs!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...